Rio de Janeiro promove encontro para falar sobre violência à mulher

49

Nó ultimo sábado (30), as republicanas do Rio de Janeiro, promoveram um grande encontro com algumas das coordenadorias municipais, para comemorar o Dia Internacional da Não Violência Contra a Mulher e a campanha do PRB Mulher Nacional “Ei! Abaixa a sua mão!À não violência contra a mulher”, tendo como tema “Precisamos dar um basta!”.

A coordenadora estadual do PRB Mulher do Rio de Janeiro,  vereadora Tânia Bastos e a vice-coordenadora Leda Domingues, reuniram as coordenadorias de Belford Roxo, Niterói, Queimados, Nova Iguaçu e São Gonçalo para realizar a ação. A militância das cidades supracitadas também estavam reunidas,  para uma palestra sobre a não violência contra a mulher.

Conduzindo a palestra, estava Leila Regina que é assistente social e especialista em família. Ela chamou a atenção para os recentes casos de violência de grande repercussão. Para as vítimas ela diz, “O silêncio é o maior aliado do seu agressor”, já que a mesma também foi uma vítima de violência. Em seguida, recitou a poesia, “Não ao feminicídio e todos os tipos de violência contra a mulher”, de Guibson Medeiros.

O PRB Mulher RJ entende a importância desta data porque essa causa é humanitária. Ela é minha e sua, dos ricos e pobres, dos brancos e pretos. A luta pelo respeito e direitos é infinita”, ressaltou Tânia Bastos.

O Dossiê Mulher 2018, publicado pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), mostra que as mulheres continuam sendo as maiores vítimas dos crimes de estupro (84,7%), ameaça (67,6%), lesão corporal dolosa (65,5%), assédio sexual (97,7%) e importunação ofensiva ao pudor (92,1%). Boa parte dos crimes contra as mulheres é cometida por pessoas com algum grau de intimidade ou proximidade com a vítima: sãocompanheiros e ex-companheiros, familiares, amigos, conhecidos ou vizinhos.

Para a coordenadora anfitriã, Beatriz Santos de São Gonçalo, a violência contra as mulheres precisa de um basta. “O debate foi sobre a violência contra as mulheres que cada vez fica pior. Precisamos de medidas que ajudem a diminuir toda essa violência. As ações de conscientização são de grande importância, além das campanhas nacionais, como essa do PRB Mulher”, afirmou.

“Foi um evento muito produtivo onde a palestrante, Leila Regina, relatou sobre as agressões que sofreu com o falecido esposo. Ela nos conscientizou e falou da importância de acolhermos as mulheres que sofrem as agressões e não tem coragem de denunciar. Temos que colocar na cabeça delas, que juntas somos mais fortes”, disse a coordenadora de Nova Iguaçu, Glaucia Miranda.

Prestigiaram também o evento a coordenadora Mariza Vargas  de Niterói, Patty Armstrong do município do Rio, Penha Ramires  de Queimados e Leda Domingues que além de vice- coordenadora do PRB Mulher no estado, também comanda a militância no município de Belford Roxo.

Casos de feminicídio no Rio de Janeiro 

Das 68 mulheres vítimas de feminicídio em 2017 no Rio de Janeiro, 57,4% tiveram como acusados os companheiros ou ex-companheiros e dentro desse número, 52,9% das vítimas que foram vítimas, o crime aconteceu no interior de suas residências. Em média no ano de 2017, foram registrados cinco feminicídios e 15 tentativas de feminicídio por mês em todo estado.

ASCOM PRB Mulher Nacional

 

Envie seu material para o PRB Mulher Nacional pelo e-mail mulherempauta@prbmulher10.com.br. Conte pra gente as ações que as republicanas do PRB estão realizando em sua cidade, será interessante divulgar essas atuações no portal.